segunda-feira, 23 de agosto de 2010

I Colóquio sobre História do Teatro no Piemonte Norte do Itapicuru

O Centenário de José Carvalho (1910-2010)



A História do Teatro no semi-árido da Bahia é o tema principal do I Colóquio sobre História do Teatro no Piemonte Norte do Itapicuru, que será realizado entre os dias 04 e 07 de setembro no município do Senhor do Bonfim. O evento debaterá as práticas teatrais na região, durante todo o século XX, envolvendo os nove municípios que compõem o Território de Identidade 25 (Senhor do Bonfim, Jaguarari, Andorinha, Filadélfia, Ponto Novo, Caldeirão Grande, Pindobaçu, Antônio Gonçalves e Campo Formoso). Além disso, o evento homenageará o centenário do diretor e dramaturgo bonfinense José Carvalho (1910-2010), um dos precursores do teatro na região.

Na abertura do Colóquio o grupo de teatro Aroeira Cênica (Senhor do Bonfim) irá apresentar a remontagem do espetáculo Condenado Inocente, uma das peças do homenageado, montada nos anos 50 e 60 e apresentada no seu Quintal-Teatro da Rua José Jorge, e nos auditórios do Instituto de Assistência à Infância, Salão Paroquial, e Ginásio Sagrado Coração, Marista . Outros grupos teatrais também farão parte da programação no decorrer do evento, é o exemplo da premiada companhia Finos Trapos (Vitória da Conquista/Salvador). Além de mesas redondas sobre a história do teatro, haverá homenagem a antigos artistas, lançamento de cordel, exposições, alvorada e outras atividades no Calçadão, no Centro Cultural Ceciliano de Carvalho e no Centro Educacional Sagrado Coração. “As atuais pesquisas sobre teatro no Brasil e no mundo mostram a grande necessidade do registro da história dessa arte milenar em diferentes contextos culturais. Posteriormente iremos lançar um livro com as palestras de todo o encontro”, destacou Reginaldo Carvalho, estudante do doutorado em Artes Cênicas da UFBA, um dos coordenadores do evento.

A realização do Colóquio conta com o patrocínio de Microprojetos, do Programa Mais Cultura (Ministério da Cultura - MinC). Além da parceria da Fundação Nacional de Artes (Funarte), Banco do Nordeste (BNB), Secretaria de Cultura da Bahia (Secult) e apoiadores locais. A organização ficou por conta da ganhadora do edital Microprojetos, Alexandrina Carvalho, diretora do Grupo Teatral CANOART, além da coordenação dos professores Reginaldo Carvalho e Ângela Reis. Os organizadores buscaram a parceria do Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia, através do Grupo de Pesquisa Tradição e Contemporaneidade no Teatro Brasileiro, do curso de História da Faculdade Cenecista de Senhor do Bonfim e da UNEB Campus VIII/Paulo Afonso. A equipe de produção é composta por Alexandrina Carvalho, Cidélia Araújo, Conceição Lins, Noemi Reis, Odelita Rodrigues e Sandra Cléa.

Virá um ônibus com 45 pessoas de Salvador, entre artistas, estudantes de mestrado e doutorado em Artes Cênicas da UFBA e familiares do homenageado. Também participarão mais de 10 integrantes do GUETO – Grupo de Estudos em Teatro do Oprimido da UNEB-Campus VIII – Paulo Afonso e artistas de teatro das cidades de Jacobina e Saúde.

Centenário - José de Souza Carvalho, ou Zé da Almerinda, como era chamado por muitos devido ao nome da sua mãe, nasceu em Senhor do Bonfim-BA em 1910 e faleceu na mesma cidade em 1974. Entre os dados biográficos de José Carvalho destacam-se: a temporada de seis meses no Circo Merediva; a localização da sua residência na Rua José Jorge, próxima ao terreno onde companhias circenses se instalavam, na Rua da Lagoa; e a função de estafeta na Viação Férrea Leste Brasileiro - aonde chegavam muitas companhias circenses - como fatores preponderantes para a constituição da sua identidade artística. Essas experiências pessoais e estéticas culminaram com a criação de um Quintal-Teatro, lugar em que as peças deste artista eram ensaiadas e apresentadas antes da sua transferência para os auditórios do Instituto de Assistência à Infância, Salão Paroquial, e Ginásio Sagrado Coração, Marista. O resultado foi a criação de um teatro popular fruído por moradores de Senhor do Bonfim e de outras cidades do Piemonte Norte do Itapicuru, onde as suas peças foram apresentadas. José Carvalho tem sido considerando entre os pesquisadores brasileiros do circo-teatro como um importante representante da teatralidade circense no semi-árido da Bahia em meados do século XX. Entre outras peças, escreveu e montou: Suplício materno, Filho do mar, Família maldita e Condenado inocente.

Em Senhor do Bonfim o evento é apoiado por: Casa dos Colchões, CESC-COC, DIREC-28, SERCON, Restaurante Ô de Casa, Secretaria de Saúde, Mercadinho Milla, Moto Bosque, Cyber Turbo, Padaria do Gamela, Padaria São Sebastião, FETAG-BA, Cooperativa do Piemonte da Diamantina, SEMEC, Secretaria de Cultura, Faculdade Cenecista, Restaurante Tarantella, IF Baiano, Supermercado Rodrigues, Casa das Embalagens, Lorena Produções, Rádio Caraíba AM, Rádio Rainha FM e em Paulo Afonso pela empresa Don Santos.