segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Serviços de saúde pública de Bonfim são referência e parâmetro para Jacobina


Atendendo a convite do movimento Jacobina Agoniza – que liderado pelo Sindicato dos Comerciários de Jacobina vem mobilizando a população da cidade por serviços essenciais à saúde local – a secretária municipal de Saúde, Maria Gorete Braz e a Coordenadora do Samu – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, Agnete Troelsen compareceram à vizinha cidade, onde foram recebidas por dirigentes do movimento e pela imprensa local.

A recepção aos representantes bonfinenses,foi feita pelos lideres do Jacobina Agoniza e comunicadores da radiofonia justificaram a importância de suas presenças: “Senhor do Bonfim e Jacobina são próximas e parecidas e, portanto, comparadas. Em termos de saúde, o que falta de equipamentos aqui, Bonfim já dispõe há tempos. Nestes dias de ampla discussão, passeata e mobilizações, temos dito isto. Há quem diga que essas conquistas são difíceis, quase impossíveis. Mas sabemos que Senhor do Bonfim avançou muito na Saúde e é uma inegável referência para a região e para nós. Para que não restem dúvidas, estamos contentes e já agradecemos essa visita, bem anunciada, importante, esclarecedora e bastante aguardada na cidade”.

Imprensa e público – Nas entrevistas concedidas às Rádios Clube AM, Serrana FM e Jacobina FM, as representantes situaram a estrutura atual da saúde pública bonfinense, equipamentos recentes e outros na lista de breves conquistas. Ao responderem perguntas de radialistas e do público ouvinte elas causaram surpresa, dando conta de serviços prestados em Bonfim desconhecidos ainda na cidade visitada. Gorete Braz relatou sobre as funções diárias do Samu e das atividades do Centro de Atendimento e Aconselhamento (CTA), que faz serviço de grande importância para a população, na orientação e combate às doenças sexualmente transmissíveis. Descreveu o valor do atendimento do Laboratório Central (Lacen), que foi modernizado, ampliação e, desde a sua chegada a secretaria, passou de quatro mil para mais de 20 mil procedimentos/mês.

No panorama geral da saúde em Bonfim, a secretaria incluiu a já prevista construção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), com local definido, que desafogará os PSF’s em todo o município bonfinense. Respondendo a itens de internamentos ela falou da reforma do Hospital Regional Antonio Monteiro, que terá R$ 11 milhões de investimento do estado e já está hoje com 90% do projeto preliminar de engenharia pago pela Prefeitura Municipal.

Vontade política – Entre perguntas freqüentes, quase todas de cunho social e financeiro, estavam: “É caro trazer um Samu para o nosso município? Em Bonfim foi difícil encontrar médicos para esse tipo de serviço de saúde?” Ouviram da secretaria as afirmativas e informações que precisavam para esclarecimento da comunidade. “O Samu é vital nos dias atuais. É um serviço de urgência que chega ao paciente em poucos minutos e a chance de mais vidas serem salvas é muito maior. Por isso, a administração municipal de Bonfim reivindicou e já conta com duas unidades de UTI móvel. O serviço é público e gratuito. No meu entendimento é ação nossa, dever de governo. Ainda que houvesse custo, as pessoas têm que botar na cabeça que o investido na saúde não é gasto, é investimento”.

Criatividade – Quanto à dificuldade em conseguir médicos, a secretaria de Saúde, colocou que tudo depende principalmente de vontade política, de pensar no bem estar de sua população; dificuldades todos enfrentam, mas primeiro cuida-se das estruturas, os profissionais de atendimento serão atraídos por ela. A coordenadora Agnete mostrou que o Samu de Bonfim possui equipamentos que muitos hospitais não têm: como duas unidades de UTI móvel e motolância (moto-ambulância) utilizada para chegar a locais de difícil acesso, além de profissionais capacitados em salvar vidas fazendo atendimento e remoção dos pacientes, quando em estado mais critico, para centros como Juazeiro, Petrolina e Salvador. Agnete informou também da inovação feita em Senhor do Bonfim: Lá implantamos o socorrista, ou seja, nossos motoristas são treinados para também prestar os primeiros socorros.

Durante a entrevista, ouvintes ligavam para as rádios interferindo no tema, perguntando agradecendo à secretária de Saúde e a coordenadora do Samu/Bonfim “pela aula de cidadania e de saúde publica”, muitos diseram. O ouvinte Marcos Freitas, residente em São Paulo, acompanhava a entrevista pela internet e entrou ao vivo para parabenizar o movimento por melhoria da saúde em Jacobina e para agradecer a Gorete Braz “em expor suas dificuldades e soluções” na condução da rede da rede de Saúde em sua terra.

Veja o documento povocador – No recente 17 de setembro, Jacobina assistiu centenas de pessoas em passeata reivindicando das autoridades municipais a instalação de uma unidade do Samu – Serviço de Atendimento Médico de Urgência no município. Na ocasião, o movimento “Jacobina Agoniza” distribuiu impressos com teor de protesto: “Enquanto a política de saúde pública traçada para o Brasil é descentralizar o atendimento, instalando UTIs, SAMUs e UPAs nas cidades pólo de cada região, nada tem sido feito nos últimos anos para melhorar o sistema de saúde no município de Jacobina. Muitos cidadãos têm perdido a vida por falta de UPAs (Unidade de Pronto Atendimento), por falta de um socorro especializado em casos de acidente (SAMU) ou por falta de uma UTI nas proximidades. A população de Jacobina não pode aceitar este estado de abandono e desinteresse, não pode aceitar que seus familiares, amigos e conhecidos continuem morrendo de maneira banal por falta de atenção. Vamos juntar nossas forças e lutar pelo que é direito de todos!”

ASCOM