quinta-feira, 18 de março de 2010

Coisas da internet: Só na Bahia...


Da série: Na Bahia é diferente!!!

Na Bahia já não tem mais assaltos, porque quando os "atrasa lado" falam:

“Bota a mão na cabeça...”

as vitimas já completam:

“... que já vai começar...
O REBOLATION! O REBOLATION!...

Auxílio-Reclusão Existe!

O auxilio-reclusão é um dos menos procurados benefícios previdénciarios. Mas é tão importante para a família quanto a pensão por morte. Quando o segurado exerce uma atividade lícita e vem a perder a sua liberdade, o INSS ampara seus dependentes até que mesmo possa ser reintegrado a sociedade através do seu livramento.

Os dependentes do segurado empregado, desempregado desde que esteja ainda na qualidade de segurado, contribuinte individual, empregada doméstica, trabalhador avulso e o trabalhador rural desde que comprove tal fato podem requerer o benefício.

O auxílio é pago aos dependentes e não ao próprio segurado, e é preciso está em regime fechado ou semi-aberto. Ou seja esteja cumprido pena em estabelecimento de segurança máxima ou média, e para quem está em regime semi-aberto podendo exercer atividade em trabalho interno ou externo na forma do regime fechado.

Para os dependentes terem direito ao benefício, o segurado tem que ser considerado de baixa renda, isto significa que a renda mensal não poderá ser superior a R$ 798,30 em 2010, atualizado este valor monetareamente a cada ano, e o valor mensal do benefício será o mesmo da remuneração anterior a reclusão.

O segurado não pode esta recebendo remuneração da empresa, está em gozo de auxílio-doença ou aposentadoria durante o período que os dependentes estejam recebendo auxílio-reclusão.

A data de início do benefício será fixada na data do efetivo recolhimento do segurado a prisão, se requerido até 30 dias, e se posterior, da data do requerimento.

Para manutenção do direito ao benefício o dependentes do segurado devem apresentar comprovante da autoridade competente onde o mesmo se encontra recluso de 3 em 3 meses.

È importante resaltar que em caso de fuga o benefício será suspenso, e se houver recaptura do segurado será restabelecido a partir da data em que ela ocorrer.

Para requerer o benefício deve ser agendado o atendimento através da central 135, internet ou em qualquer agência do INSS do Brasil.


Victor Cesar de Carvalho
Gerente do INSS de São Raimundo Nonato-PI

Industrialização do leite e abatedouro são “viáveis”, diz Edmon em Bonfim e dizem todos

O encontro de gestores regionais com o secretário de estado Edmon Lucas, da Sedir, hoje, no auditório da Câmara Municipal ofereceu viabilidade de implantação da tanto da “Unidade de beneficiamento do leite e produtos derivados”, como do “Abatedouro de animais de pequeno porte”. Para garantir melhor estas reivindicações, o engenheiro Juvenilson Passos da CAR / Juazeiro representou a instituição em confirmação dos seus serviços aos municípios.

Diante do Prefeito Paulo Batista Machado, que fez a análise inicial e de mais de 30 representantes de municípios da região, o diálogo se estabeleceu. O lema mais fundamental para assegurar a indústria de beneficiamento do leite e o matadouro foi a real demonstração de desejo de realização dos órgãos do estado, por um lado, e de “vontade política da região” por outro. “Mas é imprescindível que haja participação e discussão” ou seja diálogo entre as diversas prefeituras, repetiu várias vezes Edmon Lucas.

Assim falou Edmon

– Nós não fazemos ofertas, apresentamos propostas para que elas sejam debatidas pela comunidade. Por isso coloquei o exemplo de Coaraci, no sul da Bahia, para que ele seja discutido aqui, em termos de cooperativa e de envolvimento das partes interessadas no processamento do leite e seus derivados. Podemos iniciar com 10, 15 mil litros de leite/dia arregimentados nas oito ou dez cidades da região. Mas podemos chegar a 92 mil litros ou mais, porque o projeto é modular. Há prazos. O governo do Estado quer fazer. “A viabilidade depende apenas da vontade política da região.

Abate e Quicé

– O prefeito Paulo Machado me disse que tem uma planta para um abatedouro de pequeno porte. Se ela for compatível com os recursos que técnicos da CAR possam aprovar, também viável,. Eu já vim a Bonfim oito vezes, duas das quais fui ao Quicé e me encantei com a quantidade e a qualidade do trabalho desenvolvido ali. Não parece ser produto de um áspero semi-árido. Quero que essas iniciativas dêem certo. Elas são necessárias – Exprimiu em entrevista fina o titular da Sedir.

Geri: “é viável”

Presente em tempo integral, o vereador Gerivaldo Sampaio representante da região, declarou-se confiante na viabilidade dos projetos. “Não tenho porque duvidar. A forma como o secretário Edmon expôs os planos, pedindo discussão e participação dos interessados me deixa crer que podem se realizar a unidade que tratará do leite e seus derivados, e o abatedouro para animais de pequeno porte”.


Entre autoridades presentes ao ato: prefeito Paulo Batista Machado; vice-prefeito Aurélio Soares; representante da CAR / Juazeiro, Juvenilson Passos; chefe de Gabinete da Sedir, Emanoel Lima; vereadores de Senhor do Bonfim: João Carlos Bernardes (Pré. Câm), Laércio Muniz, Gerivaldo Sampaio, Gustavo Miranda, Carlos de Tijuaçu, Gilberto Pires (Bel); prefeito de Ponto Novo, Andeson Luz; vereador de Capim Grosso, Vivaldo Silva; secretário do Meio Ambiente de Andorinha, Paulo Roberto; secretáio da Agricultura de Campo Formoso, Josan Cláudio Gomes; representante prefeito de Caldeirão Grande, Maurício Santana; representante do Prefeito de Pindobaçu, Valdeniir Muricy; chefe de Gabinete de Campo Formoso, João Barreto, etc. E a imprensa: TV–TBL, Rádio Rainha FM e Caraíba.

Assessoria de Comunicação Social

Empresário fez interlocução para investimento industrial na região

O empresário catarinense Flávio Furtado, diretor-presidente da “Ratio Arts”, que participou ontem do encontro do secretário Edmon Lucas com prefeitos regionais, em Senhor do Bonfim, fez proveitosa interlocução com o prefeito Paulo Machado, na perspectiva de extensão dos seus negócios.

Furtado, cuja indústria de amidos tem sede em Itajaí/SC declarou que sendo o estado da Bahia o 2º produtor de mandioca do Brasil veio levantar as potencialidades da região.

Mandioca

Ele que industrializa amidos em escala, informou expressamente: “Temos interesse em investir, em pegar parte dessa produção de mandioca e transformar em amido, que é um produto que agrega muito valor”. Os projetos de Flávio Furtado são voltados também para a industrialização da mamona e do girassol. Mas, seu investimento preferencial na região é o aproveitamento da mandioca “destinada à produção e industrialização do amido”, cujo preço de mercado está hoje em torno de R$ 1.050 a R$ 1.200 reais, conforme sua palavra.

O empresário acentua que a cultura da mandioca está bem implantada na região de Bonfim, mas falta tecnologia para modificar atingir a produtividade desejável. “Aqui – disse ele – nós temos que integrar o produtor à família que já produz a mandioca, para que ele tenha um processo produtivo maior. Então abrangeríamos a produção e parte da industrialização da agricultura familiar”.

200 t / dia

Sobre a estrutura de seu projeto, ele afirmou: “temos que ter uma unidade industrial que processe cerca de 200 toneladas por dia de mandioca”. Primeiro aproveitando o que já se produz na região; mas logo trazendo também alguns produtores com experiência “para melhorar a qualidade e a produtividade da mandioca”.

O empresário disse estar fazendo “uma prospecção, mas a recepção do prefeito da cidade corresponde ao desenvolvimento. Gostamos da forma como a bacia leiteira foi discutida aqui [no encontro com gestores], a região se enquadra nos nossos planos, estamos ampliando contatos e realmente interessados”.

Assessoria de Comunicação Social