segunda-feira, 17 de maio de 2010

Colégio do interior de Campo Formoso fecha as portas

Os professores do Colégio Municipal Thierry Lins com o apoio dos pais dos alunos daquele estabelecimento vêm através deste meio de comunicação tornar público que a partir da data de hoje (17/05/10) as aulas estarão suspensas até que a administração pública concerte pelo menos os banheiros daquela instituição de ensino, pois os mesmos foram interditados pela direção da escola por não terem nenhuma condição de uso. Diante disso, os alunos principalmente as meninas, estão passando pelo constrangimento de fazerem suas necessidades fisiológicas nos arredores do colégio, causando total desconforto moral, além da falta de higiene.É importante salientar que desde o inicio do ano letivo o colégio vem passando por várias situações problemas como: a primeira unidade foi toda comprometida, pois os alunos tiveram somente metade da carga horária obrigatória por conta da falta de merenda. Estamos trabalhando também desde o inicio do ano letivo sem porteiro, ou seja, sem nenhuma segurança o que ocasionou a mais ou menos três semanas atrás a ação de vândalos atirando pedras no telhado, causando nos alunos e professores do horário noturno muito medo em permanecer na sala de aula, pois dentre as pedras atiradas, uma de tamanho mais avantajado, ficou dependurada na madeira do telhado e tinha destino certo que era a cabeça de uma aluna. Por duas vezes tivemos que suspender as aulas antes do término das mesmas. Estamos com somente uma auxiliar de serviços gerais do município e outra que é funcionária do estado, para dar conta de uma escola de quase 500 alunos, as demais foram demitidas. A escola de ensino infantil-creche- não tem energia e também está com os banheiros interditados, pois não tem água o que se torna uma situação tão ruim quanto à outra, pois estamos lidando com crianças pequenas que não tem controle sob suas necessidades fisiológicas, obrigando assim os professores a deixarem sua sala de aula pra levar os alunos, como eles mesmos dizem "no mato”. A água que os alunos consomem é sem tratamento nenhum, ela vem diretamente do rio e é do conhecimento de todos da administração que a água o rio Salitre encontra-se poluído não podendo assim ser consumida pelos alunos, mas como não tem outra é esta que eles bebem, já existem mães sinalizando que se não tratarem a água que os alunos bebem vão tirar seus filhos da escola e matricular nas escolas de Juazeiro. A falta de água na escola se dar pelo provável entupimento dos canos e como o funcionário responsável por este serviço também foi demitido a escola está desprovida deste serviço. Hoje alguns moradores dão uma contribuição a este funcionário para que ele possa continuar ligando a bomba para abastecer as casas. Mas a escola... Por estas é por outras, mas principalmente pela questão dos banheiros estamos parados, até que alguém vá até nossa comunidade e solucione este problema, caso contrário ficará mais uma vez os alunos no prejuízo, nós professores estamos na comunidade esperando.



Curral Velho, Campo Formoso-Bahia
17 de maio de 2010
Fonte: Equipe Portal Esmeralda.com.br

Em Bonfim elas conquistaram as ruas e homens para a Campanha do Laço Branco



A caminhada do Laço Branco, pelo fim da violência contra a mulher, que neste sábado (15) arrastou mais de 300 pessoas pelas ruas de Senhor do Bonfim obteve grande adesão da sociedade civil e derrubou tabus. Os participantes, mulheres, crianças, artistas e principalmente os de sexo masculino – exibiram fitas brancas com a inscrição “Homens pelo fim da Violência”. No punho, na lapela, no peito “eles não mostraram qualquer resistência”, como escreveu Maria José Canário, em relato para a mídia.

A bonita marcha, acompanhada de carros, bicicletas, faixas, bandeirolas, motos e da Banda Mandala Black, foi uma iniciativa do Governo Municipal, por meio da Assistência Social e do principal ator, o Centro de Referência da Mulher (CRM) recém instalado em Bonfim. O apoio de entidades parceiras, destacadamente da Igreja Adventista do 7º Dia, foi decisivo para a qualidade e sucesso do evento.

Panfletos educativos distribuídos fizeram parte da campanha referenciando a Lei Maria da Penha, sancionada em 2006, que tem como objetivo proteger a mulher, prevendo aumento no rigor das punições das agressões por elas sofridas em âmbitos domésticos, familiares ou fora deles. Por outro lado asseguram às mulheres ampla defesa da cidadania, reafirmando a importância das políticas públicas que colocam fim a comportamentos agressivos que têm levado milhares de mulheres à morte dentro dos seus próprios lares.

Ao encerrar-se a manifestação, Maria José Canário, coordenadora do CRM – Centro de Referência da Mulher – e principal articuladora do Laço Branco em Bonfim, declarou satisfeita: “O resultado extrapolou todas as nossas expectativas”.

Governo Cuidando da Nossa Gente
Assessoria de Comunicação Social