sábado, 6 de novembro de 2010

ANTIPATIA OU INIMIZADE ENTRE FILHOS E PAIS


• Josemar Santana

ANTIPATIA OU INIMIZADE ENTRE FILHOS E PAIS
(Alienação Parental e os Efeitos da Lei 12.318/2010)

Está em vigor desde 26 de agosto deste ano a Lei 12.318/2010, que ficou conhecida entre os operadores do Direito (advogados, promotores e juízes), como Lei de Alienação Parental.
De início, precisamos conhecer a origem do termo ALIENAÇÃO PARENTAL, para entendermos melhor o seu significado. O termo tem origem na língua inglesa: ALIENAÇÃO é do inglês ALIENATION (pronuncia-se ALIENÊICHAN) e significa criar antipatia ou inimizade. PARENTAL significa paterno, diz respeito aos pais (pai e mãe).
Portanto, a ALIENEÇÃO PARENTAL significa antipatia ou inimizade criada entre filhos e pais (pai e mãe), por iniciativa de um deles. Assim, podemos dizer, na prática, que ALIENAÇÃO PARENTAL é a antipatia ou inimizade criada pelo pai contra a mãe, ou vice-versa, incutindo na mente da criança conceitos negativos contra um ou contra o outro.
A ALIENAÇÃO PARENTAL recai sobre os genitores (pai ou mãe) que se digladiam, que se desentendem e mantém esse desentendimento depois da separação, em torno da disputa dos filhos.
A Lei 12.010/2009, que alterou o ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente fortaleceu o direito fundamental da criança e do adolescente a viver junto à sua família, isto é, fortaleceu o direito da criança e do adolescente à convivência familiar.
Portanto, mesmo separados, os pais devem cuidar para não permitir que a separação entre eles cause separação de um deles, dos seus filhos.
Logo, o próprio direito à convivência familiar inclui o direito de permanecer com vínculos, tanto com o pai, quanto com a mãe.
É aí que entram os dispositivos da Lei 12.318/2010, de 26 de agosto de 2010, porque o direito da criança e do adolescente à convivência familiar se refere ao direito deles ao convívio com ambos os pais, condenando-se qualquer conduta que prejudique essa relação, esse convívio.
As práticas mais comuns de ALIENAÇÃO PARENTAL, além dos atos assim declarados pelo juiz ou constatados por perícia, praticados diretamente ou com auxílio de terceiros, são os seguintes: campanha de desqualificação da conduta do genitor no exercício da paternidade ou maternidade; dificultar o exercício da autoridade de pai e de mãe; dificultar contato de criança ou adolescente com o genitor (ou genitora); dificultar o exercício do direito regulamentado por juiz, de convivência familiar; omitir deliberadamente a genitor (ou genitora), informações pessoais relevantes sobre a criança ou adolescente, inclusive escolares, médicas e alterações de endereço; apresentar falsa denúncia contra genitor (ou genitora), contra familiares; mudar o domicílio para local distante para dificultar a convivência da criança ou do adolescente com o genitor ou genitora.
As conseqüências são as seguintes: sentimento de raiva e de ódio contra o genitor (ou genitora); facilidade na aquisição de doenças (notadamente, depressão, ansiedade e dificuldade na obtenção de relações estáveis).
Quando ficarem caracterizados atos típicos de ALIENAÇÃO PARENTAL, o juiz poderá, sem prejuízo da responsabilização civil ou criminal do alienador, adotar as seguintes providências: advertência do alienador; ampliação do regime de convivência familiar em favor do alienado (pai ou mãe que estiver sendo prejudicado pela ação do outro); aplicação de multa sobre o alienador; acompanhamento psicológico e/ou biopsicossocial; alteração da guarda compartilhada ou sua inversão; fixação cautelar do domicílio da criança ou adolescente e suspensão da autoridade parental (da autoridade de pai ou de mãe).
Conclui-se, portanto, que a criança deve ser preservada das divergências e dos motivos causadores do fracasso da união dos seus pais, porque a criança ou adolescente tem como direito fundamental a boa relação com os seus pais, ainda que eles não vivam juntos.



Josemar Santana é jornalista e advogado

ADOLESCENTE MORRE VÍTIMA DE CHOQUE ELÉTRICO EM LOCAL DE TRABALHO



Tudo era pra ser mais um final de semana de descanso, de tranquilidade, de viver a vida como todo adolescente que tem seu emprego, mas nem tudo é como imaginamos.

No final de mais um dia de trabalho, quando se preparava para arrumar as ferramentas, o adolescente ALISON RANGEL de 17, estava realizando serviços de ajudante de pedreiro em uma reforma na casa de nº. 38, da Rua Vilebaldo Viana, perdeu sua vida após sofrer um choque elétrico.

Conforme nos contou o pedreiro EDSON: “Nós já estávamos encerrando o expediente, quando ele tropeçou em um balde com água e pedi para que ele terminasse para irmos embora. Ele secou, mas ainda continuou com os pés molhados e foi enrolar a extensão, sem ter desligado a mesma da tomada e recebeu o choque. Eu ainda puxei a tomada, desenrolei a língua dele e quando ele respirou novamente abri o portão, chamei uma vizinha e liguei para o SAMU que chegou em sete minutos”, disse Edson.

Após a constatação da morte de Alison pelos socorristas, familiares ficaram revoltados com demora dos peritos do DPT de Bonfim em retirarem o corpo do rapaz do local.

Seu corpo está sendo velado em sua residência à Rua Airton Sena, mutirão do Alto da Maravilha. O sepultamento está previsto às 16h00min no cemitério Jardim da Saudade.


Maravilha notícias