sexta-feira, 3 de junho de 2011

OPORTUNIDADE DE EMPREGO


DIVULGAÇÃO DE VAGAS
SINEBAHIA/ SAC – Senhor do Bonfim
Está selecionando candidatos à vaga de:

* Técnico de Suporte
2º Grau Completo
Ambos os Sexo
Com experiência em automação de escritório

• Cozinheiro de forno e fogão:
• Primário incompleto;
• Ambos os sexos;
• Experiência de 06 meses.

• Garçom:
• 1º grau completo;
• Ambos os Sexos;
• Experiência de 06 meses.

• Pizzaiolo:
• 1º Grau completo;
• Sexo masculino;
• Experiência de 06 meses.

• Confeiteiro para doces:
• Primário incompleto;
• Sexo feminino;
• Experiência de 06 meses.

• Carpinteiro de obras:
• Escolaridade não exigida;
• Sexo Masculino;
• Experiência de 06 meses na CTPS.

• Repositor de Mercadorias:
• 2º Grau Completo;
• Sexo Masculino;
• Habilitação Moto(A);
• Experiência 06 meses.

• Montador de móveis:
• 1º Grau Completo;
• Sexo masculino;
• Experiência 06 meses;

• Vendedor externo:
• 2º Grau Completo;
• Ambos os sexos;
• Experiência 06 meses;
• Possuir carro ou moto.

• Chapista de Lanchonete:
• 1º Grau Completo;
• Sexo masculino;
Experiência 06 meses.

• Pedreiro:
• Escolaridade não exigida;
• Ambos os sexos;
• Experiência de 04 meses na carteira.

• Serviços gerais:
• Primário in completo;
• Sexo masculino;
• Portador de deficiência.

• Técnico em edificações:
• Curso técnico em edificações;
• Ambos os sexos;
• Experiência 06 meses.

• Ajudante de lanchonete:
• 1º Grau Completo;
• Sexo masculino;
• Experiência 06 meses;

• Impressor Serigráfico:
• 1º Grau Completo;
• Sexo masculino;
• Experiência 06 meses;

• Farmacêutico:
• Superior Completo;
• Ambos os sexos;

Os interessados devem comparecer ao SINE/SAC – Senhor do Bonfim.
Horário de comparecimento ao posto: das 08h. às 13:30h.

BENEFICIADO DO BOLSA FAMÍLIA TERÁ FIXO DE R$9,50


A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) confirmou a aprovação da terceira revisão do Plano Geral de Metas de Universalização (PGMU III) nesta quinta-feira (2). Um dos destaques é a obrigação das concessionárias de telefonia fixa ofertarem um telefone fixo social, chamado Aice, que irá variar entre R$ 9,50 (sem impostos) a cerca de R$ 14 (com tributos) para as famílias cadastradas no programa Bolsa Família. O presidente da Anatel, Ronaldo Sardenberg, disse que a medida tem um impacto social muito importante. "O Aice deve beneficiar boa parte das 13 milhões de famílias atendidas pelo programa Bolsa Família. Nós esperamos que haja um grande acesso dos domicílios rurais. Até 2015 devemos atender 80% dos municípios do campo, que somam 30 milhões de pessoas em 8 milhões de domicílios", ressaltou.

Informações do Estadão.

CAMPO FORMOSO - MULHER PASSA MAL NO CENTRO DE CAMPO FORMOSO E CADÊ SAMU?‏


Ontem dia 02/06 por volta das 14h20min no centro do Município de Campo Formoso mais precisamente na Rua Meireles uma mulher cujo nome desconhecido aparentando ter 42 anos de idade residente no povoado de papagaio passou mal vindo a cair na calçada na esquina da referida rua. Pessoas e curiosos foram ao local para socorrer a pessoa que apresentava sintomas de epilepsia, mas ao socorrer a mulher pessoas ficaram assustadas pelo fato da mulher apresentar comportamento anormal como: falando línguas desconhecidas, se contorcendo e impondo uma resistência a qualquer ato de socorro, pessoas que tentaram socorrer a mulher saíram apavoradas pelas atitudes da mesma.
Seu filho disse que a mesma estava em um bar e tomou somente uma cerveja e saíram caminhando normalmente, quando de repente a sua mãe caiu ao chão, espumando pela boca e se contorcendo bastante, falando palavras desconhecidas e dando gritos estridentes.
A viatura da polícia Militar foi acionada onde foi preciso colocar a mulher no camburão da viatura para removê - la porque a mesma encontrava-se muito agitada e incontrolável , ele foi conduzida pelas autoridades para dar o início as atitudes cabíveis.
Lembrando que campo Formoso dispõe de uma unidade Móvel de Saúde a SAMU desde abril de 2010 e a mesma ainda continua na garagem sem utilização nenhuma.

Radiocampoformosoonline

SINDPOC divulga resultado das eleições 2011


Marcos Maurício

O SINDPOC (Sindicato dos Policiais Civis do Estado) realizou na última sexta-feira, 27, eleições para a escolha da nova Diretoria Executiva da entidade para o triênio 2011/2014. O pleito eleitoral contou com a participação de duas chapas, sendo a chapa 1 encabeçada pelo candidato Marcos Maurício, e a Chapa 2 pelo coordenador da Secretaria de Educação, Kleber Rosa, que tentou impedir a realização das eleições na Justiça, mas a juíza decidiu que seus argumentos eram infundados. As eleições ocorreram com tranqüilidade na capital e no interior, e teve expressiva participação dos sindicalizados.

SINDPOC

Em brilhante artigo o educador Edgar Flexa Ribeiro diz: “O MEC pirou de vez”

O educador Edgar Flexa Ribeiro escreve artigo sobre as constantes trapalhadas do Ministério da Educação (MEC). Ele critica as confusões do Enem, o emprego da norma culta da língua colocado em dúvida, o kit homofobia e a intromissão no seio das famílias.

Confira:

Não há mais lugar para dúvidas: o Ministério da Educação não sabe o que é uma sala de aula, nem sabe o que é uma escola. Não conhece os professores. Não sabe a que são obrigados para cumprir o mínimo que se espera deles.

E, sem mais aquela, os convoca para lidar com um tema importante, delicado, que repercute na intimidade e nas convicções das famílias. Tema para o qual o magistério não foi preparado para trabalhar em sala de aula ao longo de sua formação.

O MEC não conhece as famílias, e nem as respeita, nem às suas convicções - certas ou erradas. Pais, mães, ambientes domésticos não importam para os educocratas. Eles sabem tudo, determinam tudo, aprovam e reprovam a seu talante idéias, medidas e providencias que flutuem a seu redor.

O MEC gosta mesmo é de pegar onda. Singrar os mares em cima de qualquer idéia simpática que lhe cruze o caminho. Não pensa, não indaga, não examina. Não ouve ninguém e parte para a ação: imprime, edita, distribui, obriga, compele e atrapalha-se a cada momento.

O MEC malbarata a esmo recursos públicos sabidamente escassos. Joga dinheiro público pela janela, em iniciativas que se destroem em pouco tempo.

É uma estrutura pública que vaga sem limites, sem propósito, sem metas, sem controle.
Combater a homofobia é uma boa e bela causa. De modo geral, toda e qualquer "fobia" deve ser mantida sob controle. As fobias são o colapso da razão. Qualquer uma.

Mas elas são parte de nós, vicejam nos mesmos campos em que vivemos todos. Sentimentos arraigados, com raízes profundas naqueles que as compartilham.

Vencê-las não é tarefa de resultados imediatos. Leva tempo, exige esforço continuado.
Como se atreve o MEC a distribuir material de uso em sala de aula, se ele sabe que os profissionais a quem caberá empregá-lo não foram formados para isso?

Considera os riscos, os sofrimentos, as perplexidades de crianças, jovens, pais e mães?
Não, os educocratas não se preocupam com o mundo real. A causa é justa, a idéia é boa, o material está ali mesmo. Por que não produzi-lo em massa? Por que não distribuí-lo às escolas como se distribui a merenda?

E periodicamente as trapalhadas do MEC param o país. É o Enem que se embaralha todo, é o emprego da norma culta da língua que é colocado em dúvida, é a intromissão brusca no seio das famílias violando sua intimidade.

Esses despautérios todos, sobretudo este último, terminam por acirrar o que pretendia estar combatendo. Só o MEC consegue isso: dizendo que vai combater a homofobia acaba por excitá-la. Ah, esse MEC...

Por Edgar Flexa Ribeiro - é educador, radialista e presidente da Associação Brasileira de Educação. Fonte: Blog do Noblat.

Câmara aprova fim de cobrança de inscrição em vestibular para aluno de escola pública


A taxa representa uma barreira para estudantes de baixa renda.

Alunos que tenham cursado ensino médio em escola pública ou recebido bolsa integral em escola particular poderão ficar isentos da taxa de inscrição no vestibular de universidades federais. É o que prevê projeto aprovado hoje (2) pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

Para ter direito à isenção, o candidato deve ter renda familiar per capita igual a um salário mínimo e meio ou menor do que esse valor.

A proposta foi aprovada em caráter conclusivo, ou seja, só segue para o plenário se houver recurso. Caso contrário, vai direto para apreciação do Senado.


Fonte: Agência Brasil