sábado, 31 de dezembro de 2011

DIOCESE DE BONFIM ACOLHEU CRUZ E ÍCONE DE N. SRª DA VISITAÇÃO NO BOTE FÉ

Na tarde dessa sexta-feira (30) a Cruz da Jornada Mundial da Juventude e o Ícone de N. Senhora da visitação chegaram a Senhor do Bonfim em uma entrada Triunfal pelo contorno da COELBA.
O Cortejo seguiu pelas ruas ACM, Mariano Ventura, Praça José Gonçalves, Praça Augusto Sena Gomes, Rua Manoel Teixeira (Bradesco), Catedral, Prefeitura, Rua Ruy Barbosa, Praça 2 de julho, Praça Nova do Congresso, Rua Antonio Laurindo, Itamaraty, Operários da Leste, chegando no Centro Diocesano, onde foi celebrada a missa com a Cruz, seguida houve Show religioso, Teatro, Apresentações, etc.

Ainda a noite teve a Via Sacra saindo do Centro Diocesano em direção à Catedral com a Cruz e o Ícone
23h Início da Vigília na Catedral com a Cruz e o Ícone

Dia 31 de dezembro – VÉSPERA DE ANO NOVO

5h – Missa na Catedral Diocesana com a Cruz e o Ícone da Jornada Mundial da Juventude, que seguiu para a Diocese de Juazeiro.


















CASO AGRESSÃO AO PREFEITO: A REAFIRMAÇÃO DA VIOLÊNCIA E A MINIMIZAÇÃO DA AGRESSÃO

Depois de esperar alguns dias para que o Partido dos Trabalhadores (PT) de Senhor do Bonfim se posicionasse quanto à agressão perpetrada por um dos seus filiados ao prefeito da cidade, Paulo Machado, vemo-nos diante de um texto repleto de clichês. Como era de se esperar, a direção partidária se exime de qualquer ligação com o fato, mas não pode negar que o agressor é um de seus filiados. Surpreendentemente, ao contrário do que se esperava, esta explicação é o que há de menos importante na nota petista.

Nela, está revelado o ódio, o rancor e a agressividade da presidente do Diretório Municipal PT, Rita Braz – que aproveita este momento vergonhoso da política bonfinense, uma torpe agressão física e ameaças de morte ao chefe do executivo municipal, para fazer do fato lamentável e que chocou a toda a família de Senhor do Bonfim, um palanque político onde a grosseria é a tônica.

Minimizando a vergonha infligida a todos os cidadãos bonfinenses por um médico subordinado à Secretaria da Saúde, vítima de um descontrole emocional muito grave, a nota do PT desfere desmedidas e desarticuladas acusações à minha pessoa. O desespero da presidente da agremiação a faz cometer acusações descabidas, pessoais e inaceitáveis para qualquer um que me conhece, conhece a minha história, a minha maneira de ser na política, e, principalmente, os meus até então recentes aliados, que por anos conviveram comigo e enfrentamos juntos lutas memoráveis na política bonfinense.

De agredido moral e fisicamente, passo a ser, ridiculamente, taxado de agressor, contrariando a todos os fatos amplamente testemunhados, inclusive através das minhas declarações, ainda sob o efeito do constrangimento moral sofrido. Sem o menor pudor moral, sou novamente linchado pelo Diretório Municipal do PT, agora uma violência descabida e gratuita, com acusações que nada dizem da minha trajetória honrosa na política. Diferente do primeiro, pontual, mas revelador do clima que reina na cúpula partidária, os novos socos são oficiais, materializados através de documento sob a honrosa estrela do PT, maculando-a, e assinada por sua presidente.

Em tempo e em respeito ao petistas que sabem diferenciar as atitudes da sua direção com os verdadeiros princípios partidários históricos do partido - evocados em vão nesta nota-, e a bem da verdade, não acusei o coletivo do PT diante da agressão sofrida: revelei que os socos recebidos foram acompanhados de um discurso reincidente entre alguns filiados, desde que, para assegurar o mandato e não ser cerceado dos meus direitos, me afastei desse partido. Concluí que o fato deve ser entendido no contexto dos discursos agressivos que se instauraram em Senhor do Bonfim desde então. A repetição dessas agressões disseminadas em mentes susceptíveis pode não só explicar o desvario do médico, como poderá se repetir em outras circunstâncias.

Cabe ao Diretório Municipal do PT, responsavelmente, para evitar futuras recidivas, isto sim, instaurar um processo através de sua comissão de ética para apurar o ocorrido. Esta é a atitude que Senhor do Bonfim espera de um partido que quer se submeter mais uma vez ao julgamento popular nas urnas. A população bonfinense está de olho e sabe muito bem o que ocorre nos bastidores e não quer mais ser enganada por um suposto projeto político inteiramente desarticulado.

Como primeiro mandatário do município de Senhor do Bonfim, ficaria satisfeito se a lição da violência servir para elevar o nível da disputa eleitoral que se avizinha. Queremos uma disputa ética, menos emocional e passional, fazendo jus ao nosso amadurecimento político e baseada em programas claros e factíveis. E peço que as lideranças partidárias ajam responsavelmente evitando insuflar a violência e a incivilidade. No mínimo, em respeito às famílias bonfinenses, que são os nossos eleitores.


Senhor do Bonfim, 31 de dezembro de 2011

Paulo Batista Machado, Prefeito de Senhor do Bonfim

OPERAÇÃO CARRO FORTE EM CAMPO FORMOSO


Por volta das 14h30 a Polícia Militar foi informada através do telefone 190 por um funcionário da Agência da Caixa Econômica de C. Formoso, que havia um Carro Forte naquela agência e que segundo os seguranças do carro, eles teriam vindo fazer um trabalho em Campo Formoso. Os funcionários da Caixa ficaram desconfiados, pois quem presta serviço para a agência da Caixa é a empresa NORDESTE e não a empresa PRESERVE e que a agência não aguardava nem tinha solicitado nenhum carro forte. Após saírem da agência da caixa, o Carro Forte começou a passear por algumas ruas da cidade e parou na frente da Cesta do Povo. Os seguranças desceram do veículo e adentraram na Cesta do Povo, olhando, analisando e tirando fotos do local, quando a viatura chegou os seguranças entraram se trancaram no veículo e continuaram parados em atitudes suspeita em frente a Cesta do Povo. Os policiais decidiram então fazer contato com os ocupantes do carro forte, que não dialogaram e não saíram do veículo. Outras guarnições da PM começaram a chegar e cercaram o carro Forte. O Sub Comandante da 54ª CIPM, Capitão Mendes, solicitava a todo instante para que os ocupantes do veículo saíssem do carro, mas os seguranças se negavam a descer do veículo. A negociação demorou mais de 20 minutos quando o motorista do carro resolveu sair. Após diversas negociações, aos poucos, um a um foram saindo do veículo. Todos os seguranças, juntamente com suas armas e munições foram conduzidos para a delegacia de Campo Formoso, onde foi recebido pelo agente de plantão, interrogados, feito contatos com diversos órgãos para saber a procedências das informações ditas por eles, e em seguida liberados.

Inicialmente todos pensavam que eram assaltantes de banco, já que as atitudes dos seguranças a todo instante foram suspeitas.

Quando todos os seguranças foram detidos, uma multidão se formou e aplaudiu o trabalho da Polícia Militar.

portalcampoformoso.

Ação Social realizou ceia com pessoas socialmente vulneráveis


A fila de mesas coladas no centro do salão do Círculo Operário formou uma mesa só. E mais de 40 famílias de moradores de rua, catadores e pessoas de baixa renda fizeram a ceia de fim de ano no estilo que a maioria da sociedade realiza nessas ocasiões. Trocaram idéia entre e si e com autoridades da sociedade e do município. Todos escolheram as comidas de sua preferência e foram servidos pelos principais membros da Secretaria de Ação Social.
O objetivo é fazer essa aproximação com freqüência “se possível mensal e não somente no fim de ano”, explicou a titular da Secretaria, Camila Libório Machado, enquanto atendia Jones e João que queriam ser fotografados também com ela. A mistura da clientela de pessoas socialmente vulneráveis com autoridades, líderes religiosos e de movimentos de assistência social é útil para somar mais integração, reforçou Dr. Aurélio. O Prefeito Paulo Machado citou a confraternização indiscriminada com as pessoas e especialmente com os que mais precisam de apoio: “As lições de vida exigem que não ignoremos os nossos irmãos em qualquer situação de risco social. Dividir o pão e fazer a ceia em comum é um dever de cidadão e obrigação dos governos”.
Da ceia participaram pedintes, pessoas que já estão cadastradas e recebem auxílio regular, mas também gente como dona Odete que confessou: “Estou aqui procurando um jeito de trazer um parente meu que precisa de regeneração. Vim só pra dizer a ele que aqui ele vai ser bem recebido e pode se regenerar”.
A ceia permitiu o encontro e reencontro de pessoas de classes sociais diferentes. As rodas com Carlos de Tijuaçu, catadores, Leandro Feitosa, Solange, viventes em barracos das proximidades do Terminal Rodoviário, Lúcia Teixeira e usuários de álcool em regime de tratamento duraram três horas de convívio fraterno. À vontade todos cantaram, dançaram e fizeram orações e projetos de vida. Uns querem se recuperar de dependência química, outros reconstituírem a família e se integrarem socialmente – finalidade da Secretaria Municipal de Ação Social.

ASCOM BONFIM